Amigos

domingo, 18 de junho de 2017

NA SOLIDÃO DAS ESTRELAS

QUADRO DE VAN  GOGH


No  Universo que contemplo
Parte dele ou do  Todo, senti
construir em mim
a ideia de Infinito...
São os pontos luminosos
que de tão longe ou de perto
fazem de mim componente
de toda a esfera circundante...
E fazer parte do Todo faz
de alguém que o compreende
a ilusão de ser o Tudo
na plenitude de Deus.
Não há solidão nas estrelas,
nem no espaço do Universo,
porque apenas somos parte
da  consciência do Ser.
Diante do Cosmos vibrante,
abro a janela e contemplo,
como num sonho ou ilusão
aquilo que me parece,
mas que já sei que não é,
a solidão das estrelas...
Pois, o vazio não existe,
preenchido pelas luzes
que se dividem e se expandem
na  grande esfera brilhante
de uma Consciência  Maior.
E no espanto do encanto
que esta ideia me produz
só posso pensar que somos,
Eu , você, e todo o mundo,
o espelho que reflete
a  Sagrada Face de Deus.

Guaraciaba Perides




domingo, 11 de junho de 2017

CANTOS DE LIBERDADE...

Como la cigarra
(María Elena Walsh)

Tantas veces me mataron,
tantas veces me morí,
sin embargo estoy aquí,
resucitando.
Gracias doy a la desgracia
y a la mano con puñal
porque me mató tan mal,
y seguí cantando.

Cantando al sol como la cigarra
después de un año bajo la tierra,
igual que sobreviviente
que vuelve de la guerra.

Tantas veces me borraron,
tantas desaparecí,
a mi propio entierro fui
sola y llorando.
Hice un nudo en el pañuelo
pero me olvidé después
que no era la única vez,
y seguí cantando.

Tantas veces te mataron,
tantas resucitarás,
tantas noches pasarás
desesperando.
A la hora del naufragio
y la de la oscuridad
alguien te rescatará
para ir cantando.



Yo te nombro (libertad)
(Giancarlo Pagliaro)

Por el pájaro enjaulado, por el pez en la pecera,
por mi amigo que esta preso porque ha dicho lo que piensa,
por las flores arrancadas, por la hierba pisoteada
por los arboles podados, por los cuerpos torturados,
. . . ¡yo te nombro Libertad!

Por los dientes apretados, por la rabia contenida,
por el nudo en la garganta, por la bocas que no cantan,
por el beso clandestino, por el verso censurado,
por el joven exiliado, por los nombres prohibidos
. . . ¡yo te nombro Libertad!

Te nombro en nombre de todos por tu nombre verdadero
te nombro cuando obscurece, cuando nadie me ve,
escribo tu nombre en la paredes de mi ciudad,
escribo tu nombre en la paredes de mi ciudad,
tu nombre verdadero, tu nombre y otros nombres
que no nombro por temor, yo te nombro Libertad.

Por la hilera perseguida, por los golpes recibidos,
por aquel que no resiste, por aquellos que se esconden,
por el miedo que te tienen, por tus pasos que vigilan,
por la forma en que te atacan, por los hijos que te matan,
. . . ¡Yo te nombro Libertad!

Por las tierras invadidas, por los pueblos conquistados,
por la gente sometida, por los hombres explotados,
por los muertos en la hoguera, por el justo ajusticiado,
por el héroe asesinado, por los pueblos apagados,
. . . ¡Yo te nombro Libertad!

Te nombro en nombre de todos por tu nombre verdadero
te nombro cuando obscurece, cuando nadie me ve,
escribo tu nombre en la paredes de mi ciudad,
escribo tu nombre en la paredes de mi ciudad,
tu nombre verdadero, tu nombre y otros nombres
que no nombro por temor, yo te nombro Libertad.













quinta-feira, 8 de junho de 2017

AÇUCENA E FLOR DE LIS

As duas flores nasceram
no mesmo jardim do Éden
onde  tudo começou...
Lindas e perfumadas viviam
a vida do  sonho como a vida
fosse o sonho de ...de ser feliz,
daquelas meninas mimadas
cujo segredo era o encanto
dos seus perfumes sutis.
Seus ramos eram tão próximos
que neles se confundiam.
Quem seria a Açucena,
quem seria a Flor de Lis?
Mas, cada uma , esperava,
que muito assim , de repente,
pudessem florir o Mundo.
Açucena e Flor de Lis...
Açucena, delicada, espalhou-se
pelos campos, pelos canteiros
da Terra, pelas quadras populares,
pelas canções dos poetas...
firmou-se no solo da terra.
distribuiu o seu perfume,
encheu de alegria as praças.
Flor de Lis , a Sonhadora,
transcendeu sua condição...
e elevada aos castelos,
Castelãs e seus amores,
transformou-se em  um símbolo
de hierarquia e fidalguia,
eternizada para sempre
em Bandeiras e Brasões.
Açucena , a  Amorosa,
Flor de Lis, a Sedutora,
ambas da mesma espécie
nascidas do mesmo  Jardim...
Histórias e mais histórias de
destinos diferentes...
Açucena   ou   Flor  de Lis?


Guaraciaba Perides



Apenas metáforas ...

quinta-feira, 25 de maio de 2017

À LUZ DE UM TEMPO FINDO

Sobressaiam  chuvas  de verão
onde brotavam lírios
nas poças das calçadas...
E o coração tão leve
cantava sempre uma canção.
O pensamento voava solto
como um passarinho e
havia, sim, uma razão...
A simples razão de ser tão jovem,
de ver a vida em frente com
olhos de poesia,
como uma dança alegre
pisando leve com passos bailarinos,
sorrindo para o nada...
querendo do todo o tudo,
amando amar e
amar  amando
à luz de um tempo findo.
As rosas que se abriam eram promessas
de um amor sem fim,
os coloridos modos,os seus sorrisos breves
e os seus cabelos negros brilhavam
à luz de um néon...
À luz de um tempo findo
havia vida, havia emoção.
Nas chuvas de verão,
calores se aquietavam,
desejos machucavam, a
alma se aquecia...
o vinho inebriava
e havia, sim,  uma razão.
À luz de um tempo findo,
o tudo era possível,
o amor uma certeza,
felicidade o agora...
o sonho de viver o instante
que  ora se vivia
e o mágico momento
do amor se revelava
nas águas puras do verão.
À luz de um tempo findo...


Guaraciaba Perides


Para complementar a música QUE   MARAVILHA
de Jorge Ben  Jor


Reflexos cintilam na mente enluarada,
cascatas no céu não dizem nada
a não ser para você e eu...
Naquele tempo tudo era tão simples,
amar e ser amado, sonhar era possível,
o ser Leal um lema,
uma razão tão plena,
verdade sem defeito,
apenas  causa e efeito
de estar no mundo e crer...




quinta-feira, 11 de maio de 2017

A FUGA DA POESIA (ou o Canto Passarinho)

Envolta em véus de neblina
Ela saiu de madrugada
Tomou o rumo da estrada
que levava ao mundo em frente.
Vi seu vulto evolando
pela curva do caminho,
Acenou um lenço de sonho
e mandou-me um passarinho...
Que chegou assim de manso,
pousou no meu coração,
mora comigo e  me encanta
com seu canto, todo  dia...
Foi o último presente
da minha Amiga Poesia.
Essa Amiga, outrora amante
enviou-me um recado:
'Fica contigo este mimo
que sempre te dediquei,
sabes que tenho que ir,pois esta
é minha missão...
levar  Poesia ao mundo
e deixar em cada canto,
um canto de amor passarinho
dentro de um coração...'
E para o consolo do triste
fica o canto e a alegria
deste canto passarinho
que resiste nas asas do Tempo
fazendo-se eterna e presente
minha Amiga Poesia.

Guaraciaba Perides



A poesia do Passado no Eterno Presente

sexta-feira, 28 de abril de 2017

ALMA E CORAÇÃO.....PALÁCIO DE CRISTAL


Um dia o coração se alegra
Em outro ele se entristece
o Coração e a  Alma procuram juntos
algo que lhes traga a Eternidade.
Pulsa o coração que dá início  à caminhada,
na estrada do amor ou aos seus contrários:
às vezes ele se abre em encantamento
e às vezes se fecha como em concha...
Há dias que supera o seu querer
nas asas do esquecimento
e há dias que abre  como em
pétalas no peito, 
a flor do amor-perfeito.
A Alma e o Coração, 
o Coração e a Alma,
vão engrenados pela vida,
batendo forte ou pulsando leve,
na alegria ou no sofrimento,
criando pontes, entrelaçando sonhos,
ou desenhando arco-íris,
buscando estrelas...
Pairando leve , em sendo a alma,
o que o coração almeja...

II- Palácio de Cristal
Sutil e frágil coração
Palácio de Cristal
Reflexos fulgores
de luz multiplicada
nas faces lapidadas.
Dá-me a  paz do seu cristal
Dá-me a luz do seu fulgor
Dá-me a beleza de sua transparência...
Mas, não me quebre  a Alma!
O excesso de seu brilho
requer alma mais dura
do que este frágil Palácio de Cristal!



Guaraciaba Perides


Maria   Bethania   cantando de Gonzaguinha" Explode Coração"




segunda-feira, 17 de abril de 2017

BATEU UMA SAUDADE...

Bateu uma saudade
de um tempo findo
de uma noite fria e
de uma lua cheia,
de um céu de estrelas e
de um campo em flor...
de uma serra azul,
de uma névoa branca
que cobria a terra
como um manto puro
de beleza e paz...
Bateu uma saudade
de risos coloridos,
de uma chama ardente
e de um vinho bom,
que volteava a mente
com um doce alento,
de uma noite mansa
de alegria e paz...
Bateu uma saudade
de risos de crianças,brincar de
esconde-esconde
e observar o céu,
na busca de uma estrela
pisca- piscando luz.
E houve um tempo
que cruzou os ares
e ganhou espaços de
estrelas cadentes...
perdeu-se em horas
de profundo azul.
Bateu uma saudade
de uma canção dolente,
de um violão brejeiro e
de um acordeon;
de danças tão faceiras
de meninas- moças,
brasa nas fogueiras ´
e nos corações...
Bateu uma saudade
de um tempo findo, de
singelos sonhos...a vida
era criança,
o  tempo uma quimera, e
a luz que se esperava
era a do alvorecer.


Guaraciaba Perides


Felicidade que rima com Saudade..."parece uma  coisa atoa, mas como é que a gente voa quando começa a pensar"

A música  FELICIDADE   de Lupicínio Rodrigues
Almir Sater  e Renato Borghetti